terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Resenha de Pulp, Charles Bukowski


Sinópse: Eis um Bukowski puro-sangue. Legítimo. Concluído alguns meses antes de sua morte, em março de 1994, aos 73 anos.

Não há como sair incólume desta história. A saga de Nick Belane poderia até ser igual a de tantos outros detetives de segunda categoria que perambulam pelas largas ruas de Los Angeles. Mas aqui, mulheres inacreditáveis cruzam pernas compridas e falam aos sussurros, principalmente uma que atende pelo nome de Dona Morte. Como nos velhos livros policiais de papel vagabundo, subliteratura pura, a quem Charles Bukowski dedica solenemente Pulp.

Ele desafia sua história com habilidade de mestre. Um Rabelais percorrendo o mundo noir? A divina sujeira? A maravilhosa sordidez? Um acerto de contas com a arte? Uma homenagem? Uma reflexão sobre o fim da vida? E tomara que a morte estivesse linda, gostosa e sexy – como está nesta história – quando encontrou o velho Buk poucos meses depois de ter posto o ponto final nesta pequena obra-prima.


O livro começa com Nick Belane em seu escritório recebendo a ligação da deliciosa Dona Morte que está desesperadamente atrás de Celine, o maior escritor da França que morreu em 1961, mas que ela ainda continua insistindo estar vivo. Nick tenta convencê-la que Celine está morto, mas de nada adianta.

“– Preciso de Celine – ela disse. – Tenho de conseguir.
Uma voz tão sexy que me excitava, de fato.
– Celine? – eu disse. – Me dê mais alguma informação. Converse comigo, dona. Continue falando...
– Feche o zíper – ela disse.
Baixei o olhar.
– Como sabia?
– Deixa pra lá. Quero Celine.”


Com o desenrolar da história, as coisas só vão ficando mais estranhas. E isso inclui uma alienígena gostosa que controla as pessoas, o Celine da livraria que parece realmente ser o verdadeiro Celine, policiais que praticam extorsão por fotos, sonhos bizarros, a busca pelo paradeiro do Pardal Vermelho e se Cindy Bass realmente trai o marido. E o pior de tudo é como ele próprio se enrola: parece que a cada dois passos que ele dá, os dois são pra trás. Ele vai regredindo cada vez mais que tenta solucionar um caso.

“– Por que não diz alguma coisa, Grovers?
– Ela se chama Jeannie Nitro...
– Fale mais, sr. Grovers.
– Não vai rir de mim como a polícia?
– Ninguém ri como a polícia, sr. Grovers.
– Bem, ela é uma coisona... do espaço sideral.
– Por que quer se livrar de uma coisona?
– Tenho medo dela, controla a minha mente.
– Como assim?
– Tudo que ela manda eu tenho de fazer.
– Vamos dizer que ela mande você comer o seu cocô, você comia?
– Acho que comia...
– Grovers, você apenas levou uma surra de boceta. Tem muito homem assim.”

Nas mulheres, nas brigas inúteis, nos bares estranhos, nas garçonetes e garçons irritantes, nas frases de efeito, nos diálogos pesados (ao mesmo tempo divertidos), nos palavrões, no sexo, nas alucinações, na subliteratura e nas missões inusitadas é possível ver um pouco do reflexo de como Bukowski encarava e levava a vida. O livro é cheio de humor ácido, perversão, porres clássicos, cenas cotidianas e coisas politicamente incorretas. São 175 páginas divididas em 51 capítulos de pura loucura mas que no final fazem um puta sentido.

“– Belane, você ficou maluco?
– Quem sabe? A insanidade é relativa. Quem estabelece a norma?”

Leia em pdf, clique aqui.

26 comentários

  1. Nunca li esse livro, mas parece ser bom!
    Gostei da resenha!

    Obrigada pela visita lá no blog (:

    Beijos invernode1996.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bom mesmo :}
      Obrigada, foi a primeira que eu fiz na vida kjklj
      Nada, amor <3

      Excluir
  2. Alienigina gostosa? Isso me deixou curiosa! Hahahaga
    Não conheço, mas agora quer ler o/

    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia esse livro, mas deve ser ótimo. Adorei a resenha.
    Beijos,
    Blog: Anjo de Cereja
    Contos Fantásticos

    ResponderExcluir
  4. Nunca ouvi falar, e como adoro ler já está adicionado na minha listinha! <3
    Posso dar uma diquinha? Desativa a confirmação de palavras dos comentários por que acaba sendo meio chato. ;)
    beijos,
    http://imperfeitasperfeitas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, obrigada por lembrar!! Vou tentar achar um tutorial pra fazer isso. Obrigada mesmo <3 Qualquer outra coisa que não te agrade, pd flr lkljsaklsaj
      Beijos

      Excluir
  5. Nunca ouvi falar nesse livro, mas parece ser muito bom c:

    sobela.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Também nunca ouvi falar nele uahsuah'

    http://stroke-of-insanity.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Sério que você disse Bukowski? Eu sou simplesmente apaixonado por sua narrativas e obras!

    Abraços,
    http://www.revolucaonerd.com/

    ResponderExcluir
  8. Preciso ler algo dele corrennnndo pra ontem, hehe


    Beijos
    Brilho de Aluguel

    ResponderExcluir
  9. nunca vi, + me pareceu bom

    Bjuuu
    Juliana Medeiros
    umabonecamasnaodeporcelana.blogspot.com.br
    facebook.com/UmaBonecaMasNaoDePorcelana

    ResponderExcluir
  10. Quero muuto ler algo do Charles Bukowski, milhares de pessoas gostam dele e dos seus livros. E o que mais me chamou atenção nesse livro foi o título: Pulp. Assim que tiver a oportunidade de comprar novos livros, ou seja, assim que ler os livros intocados da minha prateleira, vou procurar uma obra do autor. Beijos, Light As The Breeze

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amor, tem o link do download do livro ali no final do post, caso se interesse... :) Beijos <3

      Excluir
  11. Adorei a resenha, vou colacar na minha wishlist
    Estou amando o seu blog
    Beijos, Camila.

    truquesdestyling.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fique á vontade, senhorita! E muito obrigada <3

      Excluir
  12. Já cheguei a ler Bukowski por causa de um trabalho da escola e gosto da escrita dele. Esse livro parece ser bem interessante. E ficou muito boa tua resenha (:

    ResponderExcluir
  13. Nossa, que estranho e... criativo, original!

    Unskilled

    ResponderExcluir